quinta-feira, 19 de março de 2009

Prostituição infantil em Marajó




Delegado sabe, todas as autoridades sabem e não ligam. Tornou-se normal, comum, é normalidade. Isso não é considerado por eles fato grave. As crianças trocam a escola pela sobrevivência.Autor: Sen. Mário Couto (PSDB-PA)
A exploração sexual infantil é alarmante na Ilha de Marajó. São meninas com onze anos de idade. As balsas e navios que transportam mercadorias ficam parados em pontos combinados, esperando as arcaças atracarem e as meninas passarem para elas.
Meninas de onze anos de idade, estimuladas - isso é que é pior - pelas próprias mães, que preferem a sobrevivência. Estimuladas pela própria família, porque essas mães não querem ver as suas filhas passarem fome.
Quem diz isso não é só a imprensa escrita de meu estado. Quem diz isso é o bispo José Luiz do Marajó, é o Ministério Público do Estado do Pará. As crianças não vão à escola porque trocam a escola pela sobrevivência e se prostituem.
Olhem aonde chegou este nosso País! Olhem como estamos! Olhem como estamos na Ilha do Marajó! Não é só a Ilha do Marajó, eu sei. Mas lá é mais grave, lá o problema é mais sério, lá o problema é angustiante. Como se não bastassem esses problemas, como energia e transporte, ainda há a insegurança e exploração sexual de menores.
É triste o estado em que vive aquele povo, é condenável. Quem toma providências? Delegado sabe, todas as autoridades sabem e não ligam. Tornou-se normal, comum, é normalidade. Isso não é considerado por eles fato grave.
O Senado Federal, o povo brasileiro precisava saber disso. São crianças de onze anos convivendo no Marajó com homens de cinqüenta anos. E quem estimula isso é a própria família porque são pobres e tão pobres como aqueles homens de cinqüenta anos.
E não é só um caso. É uma denúncia da Promotora Pública Lílian Nunes, do Município de Portel. E são vários casos. Os vizinhos, a comunidade, todos olham isso com naturalidade. Isso é natural na Ilha do Marajó. Olhe como vivem.
Só há uma solução para o Marajó. Vamos transformar o Marajó território federal. Não há outra solução. Todas já foram tentadas, esgotadas. Cansei, batalhei, cobrei. Não tem solução. A única solução é o Senado aprovar um projeto transformando Marajó em Território Federal.
Fonte: Senado Federal

4 comentários:

  1. Lucineia Fernandes11 de abril de 2009 17:42

    Estou feliz por fazer parte desta historia , que a 1ª turma de academicas de Serviço Social da faculdades Esbam estão escrevendo. Isso aumenta a nossa responsabilidades pois estaremos abrindo caminhos para outros profissionais. Parabéns a turma do 3º periodo, vamos continuar firmes prosseguindo rumo ao nosso objetivo.

    ResponderExcluir
  2. Este nosso país está entregue nas mãos de verdadeiros criminosos. O nosso congresso, as câmaras legislativas, estão recheadas de políticos coniventes com o crime. Por isso, o problema da prostituição infantil só haverá de ter fim, se aqueles que realmente buscam o compate a males como esse, se enveredaram no mundo da política num mesmo bloco parditário. Precisamos criar essa corrente.

    ResponderExcluir
  3. eu tbm concordo com vc meu caro colega!

    ResponderExcluir
  4. mais na maioria das vezes isto acontece até na escola mesmo,na minha é uma coisa horrível,professores que dão escima de alunas,mas ninguém vÊ isto,pois na frente dos diretores eles se passam por pessoas super corretas."certas" ,dão de santinho......

    ResponderExcluir